Educação História por Voltaire Schilling Mundo
Boletim
Receba as novidades no seu e-mail!
Fale conosco
. Envie releases
. Mande críticas, dúvidas e sugestões
EducaRede
Entre no portal da escola pública
História - Mundo

O movimento ludita

Leia mais
» O Ludismo: a rebelião contra o futuro
» O movimento ludita
» Marxismo e ludismo
» Neoluditismo
 
"E noite trás noite, quando tudo está tranqüilo/ e a lua se esconde por detrás da colina/ Nós marchamos para executar a nossa vontade/ Com acha , lança ou fuzil/ Oh meus valentes cortadores/ Os que com um só forte golpe/ rompem com as máquinas cortadeiras/O grande Enoch dirigirá a nossa vanguarda/ Quem se atreverá a detê-lo?/ Adiante sempre todos homens valentes/ Com acha, lança e fuzil/ Oh meus valentes cortadores..." - Canção ludita -

Os Luditas, porém, foram bem mais além dos quebra-quebras, visto que se consideravam os substitutos do lendário Robin Hood na sua luta em defesa dos pobres, ameaçados agora não pelas exações do xerife de Nottingham, mas pelas engenhocas colocadas dentro das fábricas. Se ainda, no principio, houve incursões antimáquinas espontâneas, tal como se deu em março de 1811, em Arnold, um lugarejo de Nottingham, onde um bando devastou 60 teares da indústria têxtil sob o aplauso de um multidão de desempregados, em outros, como Yorkshire, Leicestershire e em Derbyshire, regiões vizinhas, logo se verificou que não se tratava mais de explosões irracionais, esparsas e desordenadas. Nestes casos – ainda que nunca tendo um líder só -, foram pequenos grupos organizados e disciplinados, atuando segundo um plano previamente acertado, quem entraram em atividade depredadora. Estima-se que o seu número oscilou de 3 a 8 mil integrantes, dependendo do distrito em que atuavam.

Os esquadrões luditas

Os motins Swing de 1830-2, na Inglaterra, seriam a versão rural do ludismo
Liderados pelos assim apontados como "homens de maus desígnios", usando máscaras ou escurecendo o rosto, os esquadrões luditas, armados com martelos, achas, lanças e pistolas, aproveitando para se deslocarem à noite, vagavam de um distrito ao outro demolindo tudo o que encontravam pelo caminho, apavorando os donos das fábricas. O comandante da operação chamava-se de "General Ludd", com poder de vida e morte sobre os companheiros Em Nottingham revelou-se um tipo enorme, Enoch Taylor, um ferreiro que levava ao ombro uma poderosa maça de ferro batizada com o seu nome mesmo: Enoch. Bastava uma martelada daquelas para que a porta do estabelecimento viesse abaixo, enquanto que mais uma outra aplicada num engenho qualquer dentro da oficina reduzia-o a um monte de ferro inútil.

Um quadro insurrecional

John Cartwright ( 1740-1824), agitador das causas sociais
O pano de fundo em que o ludismo emergiu formou-se pelas dificuldades sofridas pelas exportações britânicas, decorrentes do Bloqueio Continental imposto em 1806 por Napoleão Bonaparte, e, em seguida, pelos problemas enfrentados com a obtenção do algodão para a as tecelagens, visto que em 1812 os ingleses estavam em guerra contra os Estados Unidos (o seu principal fornecedor). Naquele mesmo ano, no dia 11 de maio, algo raro na história política inglesa ocorreu: o assassinato do seu primeiro ministro Perceval, em plena Câmara dos Comuns, vitima de um malucão. O clima, pois, era de generalizada revolta em larga parte da Inglaterra, sendo que E.P. Thompson - um dos maiores historiadores da classe operária britânica - acredita que o movimento extrapolou seu objetivos originais, como assegurou um testemunho da época, ambicionando "derrubar o sistema de governo pondo em revolução o país inteiro". Esta foi a razão do Parlamento ter aprovado em Londres em 1812, apesar da eloqüente oposição de Lord Byron, a Frame Braking Act que estabeleceu a pena de morte para quem destruísse as máquinas.

O Massacre de Peterloo

O massacre de Peterloo ( Manchester, 1819)
Uns sete anos depois do início dos amotinamentos luditas, por volta de 1818-9, as coisas voltaram a se acalmar. A insurgência sofreria um rude golpe com a mobilização do exército e dos corpos auxiliares e com os enforcamentos coletivos que as autoridades submeteram os insurretos, como se deu em York onde um dos líderes, George Mellor, subiu ao patíbulo com 13 companheiros.

Repressão que atingiu sua culminância nos Massacres de Perterloo (uma paródia jocosa de Waterloo, porque ocorreu sob o comando-geral do generalíssimo Duque de Wellington, o vencedor de Napoleão), quando 15 manifestantes foram mortos pelas tropas nas redondezas de Manchester. No dia 16 de agosto de 1819, no parque de Saint-Peter uma multidão de umas 50 mil pessoas, reunidas num protesto, foi exposta a uma brutal carga de cavalaria que chocou a Grã-Bretanha inteira.

página anterior      próxima página
Veja todos os artigos | Voltar