Educação História por Voltaire Schilling Mundo
Boletim
Receba as novidades no seu e-mail!
Fale conosco
. Envie releases
. Mande críticas, dúvidas e sugestões
EducaRede
Entre no portal da escola pública
História - Mundo
MUNDO

Recife, a Mauritstaad

Leia mais
Maurício de Nassau
» Arquiteto da cultura
» Recife, a Mauritstaad
» Bibliografia
 
Desembarcando na Nieuw Holland, a Nova Holanda (o Nordeste do Brasil) acompanhado com uma equipe de arquitetos e engenheiros, o conde foi fundo na construção da Mauristaad, a cidade de Maurício. Célebres por aplacar as tiranias do Mar do Norte, os técnicos de Nassau, "arquitetos da cultura", devem ter achado bem mais fácil domar os desatinos do rio Capibaribe e secar os mangues e os pântanos circunvizinhos à minúscula Recife de então. Foi deles o projeto de dotar a cidade de pontes, diques e canais que permitiram-na defender-se das águas desordeiras que a cercavam.

A intenção dele era fazê-la estupenda, a capital do império holandês das Américas (composto então por uma cadeia de fortalezas que iam do Forte Schoonenburg, no Ceará, até o Forte Maurits, na embocadura do São Francisco, ao sul de Alagoas, uns 1500 km mais ao sul). E isso sem mencionar os seus domínios africanos que englobavam uma série de feitorias na Guiné e Angola situadas no outro lado do Atlântico. Controlando diretamente o açúcar simultaneamente às bocas do tráfico negreiro, o "ouro doce" ficava inteiramente nas mãos da WIC (West Indische Compagnie), a grande empresa holandesa daqueles tempos, a quem ele representava como General-governeur (de 1637 a 1644).

Tolerância e curiosidade

Enquanto na Europa monarcas católicos e protestantes se enfezavam na terrível Guerra dos Trinta Anos ( 1618-1648), João Maurício, principe partidário da tolerância, criou em Pernambuco o único espaço em que, de veras, se permitiu a liberdade religiosa, autorizando o funcionamento das igrejas católicas e da sinagoga judaica ( aberta em 1642, a primeira da América do Sul), num raro convívio harmônico com os templos calvinistas.

De fato, ele não era apenas um narcisista. Era um humanista renascentista, um entusiasta da ciência e das belas artes. Ao embarcar para o Brasil, em outubro de 1636, na frota não vieram apenas soldados, mas por igual, seguindo as pegadas de Alexandre o Grande na Ásia, trouxe uma plêiade de naturalistas e pintores. Com eles fazia suas caminhadas pelo litoral e pelo sertão de Pernambuco para satisfazer sua imensa curiosidade pelo país recém conquistado.

Enquanto Frans Post e Albert Eckhout imprimiam em telas memoráveis as paisagens e os "exóticos" habitantes da província açucareira, usando na composição delas o que havia de melhor e mais avançado entre os equipamentos de observação da época ( são os únicos testemunhos pictóricos do Brasil do século XVII), dois outros homens de ciência, o médico Wilhelm Piso e o naturalista alemão Georg Marggraf, lançaram-se no estudo da farmacopéia local, das doenças tropicais, da fauna e da flora de um modo geral. Enquanto isso, o arquiteto Piter Post, irmão de Frans, erguia à sombra da floresta, o estupendo palácio de Freeburg, sede do poder de Nassau na Nova Holanda e também o prédio do observatório astronômico, tido como o primeiro do Novo Mundo.

Na galeria de arte

Anos depois, já de volta à Holanda, o dr. Piso publicaria a monumental Historia Naturalis Brasiliae, em 1648. Obra que, mais tarde, inspirou as atividades dos naturalistas Alexander von Humbold e Geoffrey Saint-Hilaire. A expedição cientifica de Nassau, que encerrou-se com a volta dele para a Holanda em 1644, depois dele ter-se desentendido com a Companhia, foi a única que o Brasil até então conhecera. Organizou então um livro que registrasse os seus profícuos anos que passou no Brasil, contando para tanto com a colaboração de Gaspar Barléu, autor da "Rerum per octenium in Brasilia..." editado em 1647. Outra expedição científica de igual importância somente deu-se com a chegada da Missão Francesa, em 1819, nos tempos de D. João VI, 175 anos depois!

Residindo por fim em Haia, João Maurício, que no seu diário deixou páginas de embevecimento com os anos estimulantes e produtivos que passou no Brasil, tornou a sede do Stadhouder, o palácio do governo holandês, no Mauritshuis, uma galeria de arte. Conviveu lá com as obras-primas de Vermeer, de Rembrandt, de Frans Hals, e de tantos outros gênios seus contemporâneos. Há pouco, no 17 de junho passado, três cidades celebraram os 400 anos do nascimento dele, ocorrido em 1604: Dillenburg, na Alemanha, sua cidade natal; Recife, no Brasil, que ele transformou; e Haia, na Holanda, onde ele administrou. Para muitos, que denominaram a administração Nassau como "parênteses luminoso", foi um dos poucos governos sérios que o Brasil teve nos seus três séculos de colônia dos europeus(*)

(*) "o tempo dos flamengos", registrou Gilberto Freyre, "de que ainda hoje o povo fala para explicar o excepcional, o extraordinário, o maravilhoso, o quase diabólico de algum resto de obra de engenharia ou de arte que lhe pareça superior â capacidade técnica do português ou do caboclo da terra" (Sobrados e Mocambos, tomo I, 7ª ed. 1985, pag. 6)

página anterior      próxima página
Veja todos os artigos | Voltar