BUSCA + enter






Voltaire e os Perigos da Leitura


reprodução

O sultão turco, símbolo do atraso

Era comum entre os homens de letras da França do século XVIII, para esquivarem da censura e do olho inquisidor do clero, fazerem-se passar por viajantes orientais, ou situarem suas histórias em meio a sultões, cádis, odaliscas e dervixes em algum cantão qualquer da Ásia Menor para assim melhor criticarem as opressões a que estavam submetidos. Montesquieu atingiu a celebridade imediata com suas Lettres persanes (Cartas persas, 1721), uma corrosiva exposição dos costumes franceses. Voltaire seguiu-o mais tarde, entre outros, com um pequeno artigo intitulado De l´horrible danger de la lecture (Do horrível perigo da leitura) para satirizar os que perseguiam a Encyclopédie e o partido dos filósofos. Para tanto, explorou os arraigados preconceitos que os europeus tinham em relação ao Império Turco-Otomano, velho inimigo dos cristãos e símbolo, segundo eles, da aliança do despotismo com o obscurantismo.

O Parecer do Mufti Cherébi


reprodução

A ignorância era a base da hierarquia

Tudo começa, na historieta de Voltaire, quando Joussouf Cherébi, mufti do santo Império Otomano, dá a resposta, numa data imprecisa, a uma solicitação interrogante feita por um ex-embaixador da Sublime Porta na França. O dignatário viera do Ocidente, maravilhado pela presença da imprensa, e queria saber dos grandes sábios do reino turco a opinião deles sobre aquele invento. Consultaram-se então os irmãos cádis e os imãs da cidade imperial de Istambul, sobretudo os faquires ("conhecidos por seu zelo contra o espírito", disse Voltaire), que não demoraram em propor a condenação, proscrição e anatematização do infernal engenho.

Os Argumentos dos Sábios Otomanos

1. Ela, a imprensa, é perigosa porque facilita a comunicação dos pensamentos, tendendo evidentemente a dissipar a ignorância que, afinal, é a guardiã e a salvaguarda dos Estados bem policiados.

2. É especialmente temível que cheguem, entre os livros que aportam vindos do Ocidente, alguns que tratem da agricultura e sobre os meios de aperfeiçoar-se as artes mecânicas, obras que podem, a longo prazo (o que não agradaria a Deus), revelar o gênio dos nossos cultivadores e dos nossos manufatureiros, exercitando-lhes a indústria, aumentando-lhes a riqueza, inspirando-lhes assim a elevação das suas almas e um certo amor ao bem público, sentimentos que são opostos à sã doutrina.

3. Chegará por fim o tempo em que teremos livros de história descomprometidos com o maravilhoso, o que sempre entreteve a nação numa feliz estupidez: haverá nesses livros a imprudência de fazer justiça às boas e às más ações e de recomendar a equidade e o amor à pátria, o que é visivelmente contrário aos nosso direitos locais.

4. Logo chegará a vez dos miseráveis filósofos que, sob pretextos especiosos, mas puníveis, irão querer esclarecer o homem comum e tentar fazê-los melhores, ensinando-lhes virtudes perigosas as quais o povo jamais deve tomar conhecimento.

5. Argumentando que têm enorme respeito por Deus, eles,

reprodução

A máquina de Gutemberg era demoníaca

os pensadores, terminarão imprimindo escandalosamente, fazendo por diminuir os peregrinos a Meca, provocando um grande detrimento da saúde das suas almas.

6. Sem dúvida chegará o momento em que, à força de ler os autores ocidentais que tratam das doenças contagiosas e da maneira de preveni-las, ficaremos infelizes por nos garantirem contra as pestes, o que seria um grave atentado contra a Providência.

Recomendações do Mufti Cherébi


reprodução

A imprensa era perigosa para o reino do sultão

Em vista do exposto, o mufti então propõe que, para edificar as fidelidades e pelo bem geral das almas, jamais alguém leia um livro, sob pena da danação eterna. Que evite-se por todos os meios a tentação diabólica dos pais desejarem ensinar seus filhos a ler e a escrever, pois nós os defendemos deles tentarem pensar. Além disso, sugere que os crentes sejam mobilizados a denunciar à oficialidade qualquer vizinho que consiga falar quatro frases seguidas que tenham algum sentido, que sejam claras e inteligíveis. Ordenemos, encerra o mufti, que toda a conversação deve servir-se de expressões e termos que nada signifiquem, tal como é o antigo uso na Sublime Porta.

Leia mais:
» Encyclopédie: o Dicionário da Razão





 
 » Conheça o Terra em outros países Resolução mínima de 800x600 © Copyright 2002,Terra Networks, S.A Proibida sua reprodução total ou parcial
  Anuncie  | Assine | Central de Assinante | Clube Terra | Fale com o Terra | Aviso Legal | Política de Privacidade