BUSCA + enter






Heidegger e o ser-no-mundo

reprodução

   Martin Heidegger    (1889-1976)
O filósofo alemão Martin Heidegger, falecido em 1976, foi um dos mais influentes pensadores do século XX. Abandonando a teologia, mergulhou nos gregos para tentar encontrar neles a substância que de alguma forma amparasse o homem contemporâneo num mundo desesperançado de Deus. Erguendo-se contra a tradição metafísica, voltou-se para o ser (ontologia), procurando encontrar um norte num cenário onde os valores da religião e da metafísica haviam sido abalados até as suas raízes.

O Cenário do Pensamento Alemão

Um dos acontecimento intelectuais mais significativos da Idade Contemporânea - visto que a Germânia desconheceu o Renascimento - foi o abrupto despertar do pensamento filosófico e cientifico alemão. Dando seus primeiros passos à época do Iluminismo e da Revolução Francesa de 1789, o Deutschesgeist, o espírito alemão, espantou o Ocidente por sua complexidade, diversidade, seriedade e profundidade. Nomes como Kant, Hegel, Marx e Nietzsche, traduzidos para a maioria dos idiomas importantes, nos dão uma idéia disso. Martin Heidegger irá constituir com eles (com exceção de Marx, a quem ele ignorou)
reprodução

   Nietzsche e Kierkegaard, predecessores    de Heidegger
uma relação de diálogo crítico e de tentativa de superação que o conduziu à filosofia existencial. Esta ruptura com a ilustre tradição da metafísica alemã explica-se historicamente: em 1918, o II Reich alemão sucumbira frente a coligação de impérios e nações a que movera guerra por quatro anos. Desde então foi como se na Alemanha tivessem aberto a caixa de Pandora, permitindo que todo os fantasmas e demônios viessem à luz.


reprodução

   O herói (gravura    irônica de George    Grosz)
O Fim das Certezas

O rápido desabamento das instituições que davam sustentação a o regime guilhermino, corroídas pelo esforço bélico e pela revolução que se seguiu (em novembro de 1918 o Kaiser Guilherme II foi deposto, sucedido pela República de Weimar, uma coalizão de sociais-democratas e liberais), evidentemente abalaram as certezas que os grande sistemas filosóficos de Kant e de Hegel haviam incutido na gente culta da Alemanha imperial, abrindo caminho para que fosse desafiada por todos os lados.

A Cultura de Weimar

reprodução (Grosz)

   O caos
O período de 15 anos que transcorreu entre a revolução de novembro de 1918 até a ascensão de Hitler ao poder, em janeiro de 1933, é conhecido na história alemã como a época da Cultura de Weimar. Foi um momento muito especial no qual um clima derrotista e depressivo, resultante do desastre militar de 1918, misturou-se à extrema criatividade artística e intelectual daqueles anos bizarros. Berlim tornou-se a capital das vanguardas nos anos 20. Notáveis foram as contribuições
reprodução (Bauhau)

   O funcional
nas áreas das artes plásticas, da arquitetura, do cinema, do teatro, da literatura e da filosofia, abrigando Otto Dix, Grosz, Kandinsky, Nolte, Gropius, Lubitsch, Lang, Murnau e Pabst, Hauptmann, Brecht, Reinhardt, Piscator, os irmãos Mann, Husserl e Heidegger, identificados com as correntes do Neue Sichklichkeit (a nova objetividade) do expressionismo, do dadaísmo, da Bauhaus, da fenomenologia e do existencialismo.

Heidegger e o ser-no-mundo | O Cenário do Pensamento Alemão | O Fim das Incertezas | A Cultura de Weimar | O Caleidoscópio Cultural | O Menino de Messkirch | Nasce uma estrela | Existencialismo e Fenomenologia | Linhas Abertas | A Revolução Parda | Um Mosteiro de Filósofos | Uma Mente Labiríntica | O Fim | Cronologia | Bibliografia

|



 ÍNDICE DE CULTURA E PENSAMENTO





 
 » Conheça o Terra em outros países Resolução mínima de 800x600 © Copyright 2002,Terra Networks, S.A Proibida sua reprodução total ou parcial
  Anuncie  | Assine | Central de Assinante | Clube Terra | Fale com o Terra | Aviso Legal | Política de Privacidade