BUSCA + enter






Maomé e os hebreus


Al Aqsa Mosque (portão de entrada)
O profeta Maomé, num primeiro momento ainda em Medina, pensava ordenar aos seguidores que fizessem a qibla, a orientação das suas preces, na direção de Jerusalém. O motivo era que lá também celebrava-se um só deus, o "Mericordioso", como tantas vezes os hebreus testemunhavam. Mas os judeus de Medina zombaram da nova fé. Maomé lhes moveu guerra e os submeteu a um imposto. Isso não o impediu que, quando Alá o avisou da proximidade da sua morte, ele ter feito uma longa cavalgada noturna de Meca a Jerusalém para ir dali direto ao Sétimo Céu, para um encontro com o Eterno. O califa Omar ( não se sabe se Omar I, ou Omar II, que governou de 717 a 720) porém, uns tempos depois, elaborou para o "Povo do Livro" um estatuto melhor, tornando-os seus protegidos ( dimis). Desde que aceitassem o domínio do Islã poderiam manter a sua liberdade religiosa, ainda que sob certas restrições.

Jerusalém, três vezes sagrada

Dessa forma, com a conquista árabe, o polígono amuralhado da cidade que já abrigava o deus dos cristãos e o pouco do que restara de Jeová, passou a celebrar doravante o poderoso Alá. Assim, desde o século VII, Jerusalém tornou-se triplamente sagrada: era o repouso da Arca Sagrada dos judeus, a Cidade Santa dos cristãos, e o santuário dos islâmicos. Em cada uma das suas pedras havia a lembrança de uma história, em cada esquina ou sobrado dera-se uma aparição, ora era um anjo muçulmano, um arcanjo cristão, ou ainda uma assombração para um rabino. Em cada uma das suas inúmeras ruelas passara um homem santo, um profeta ou um provável messias. Jerusalém inteira e seus arredores estava coberta de sinais da santificação, do miraculoso, do inescrutável, do sobrenatural. Para as três grandes religiões, era o vestíbulo dos céus, um prévio entreposto humano antes da chegada do reino de deus.

As Cruzadas

reprodução
Os guerreiros da primeira Cruzada (1096-9)
No século XI, uma tribo de turcos seljúcidas, recém-convertidos ao islamismo, deu-se a cercear as peregrinações feitas pelos cristãos. Tal atitude fez por provocar um furor inaudito no papado e na nobreza européia, fazendo com que Jerusalém terminasse por ser conquistada por eles. Em 1099, um arrogante deus da cristandade, invocado pelo Papa Urbano II e protegido pelas cotas de malhas e pelos espadões dos cruzados, trazidos por Godofredo de Bouillon, Balduino e Tancredo, voltou a pôr os pés na cidade sagrada, esmagando as forças de Alá e os sobreviventes de Jeová. As estreitas ruas de Jerusalém viraram riachos de sangue. E não foi em sentido figurativo. Depois que os mandados de Godofredo abriram uma brecha no Portão de Herodes, nem os animais domésticos dos infiéis foram poupados pelos invasores. Na ocasião, os cristãos fanatizados perpetraram um massacre de tais proporções que estremeceram para sempre as relações entre cristãos, os opressores, e os muçulmanos e judeus, as vítimas. Nunca tanta hediondez fora cometida em nome de Cristo.

| |

1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6



 ÍNDICE DE ATUALIDADE





 
 » Conheça o Terra em outros países Resolução mínima de 800x600 © Copyright 2002,Terra Networks, S.A Proibida sua reprodução total ou parcial
  Anuncie  | Assine | Central de Assinante | Clube Terra | Fale com o Terra | Aviso Legal | Política de Privacidade