BUSCA + enter






Iugoslávia
A Destruição de uma Nação


reprodução
A ex-República Socialista Federativa da Iugoslávia desintegrou-se pela guerra civil étnica desencadeada nos princípios da década de 1990. As várias etnias que a compõem (sérvios, croatas, eslovênios, montenegrinos, albaneses e macedônicos), a partir do colapso do socialismo, retomaram as antigas guerras tribais que tanto infelicitaram a região, aquela esquina do mundo, onde, no passado, interesses conflitantes das grandes potência imperais (da Áustria, da Rússia, da Turquia otomana) se encontravam, acirrando o ódio das populações locais, umas contra as outras. Quando todos analistas pensavam que as velhas rivalidades e antigos ódios estivessem sepultados por mais de quarenta anos de convívio de paz sob um regime comum (o comunismo não-stalinista de Tito), eis que os fantasmas vingativos, vindo de tempos remotos, resolveram reaparecer para uma mortífero acerto de contas entre as diversas tribos balcânicas, banhando as montanhas, os vales e as cidades da Iugoslávia com o sangue dos inocentes. Como uma mancha, o desacerto intra-étnico começou em 1990 com a "guerra dos dez dias" da Eslovênia contra o exército iugoslavo, estendendo-se depois para o centro e finalmente chegando, dez anos depois, à Macedônia, a mais meridional das repúblicas balcânicas. Churchill disse certa vez que os Bálcãs produziam mais história do que podiam consumir, enquanto Otto von Bismarck, o chanceler alemão, desprezava aquela região pobre, assegurando que "os Bálcãs não valem os ossos de um granadeiro alemão."

Uma Esquina do Mundo


reprodução

Cristãos Ortodoxos e muçulmanos (Catedral de Sarajevo e mesquita em Banja Luka)

Nos tempos antigos, a partir do século IV, a região balcânica, genericamente chamada de Dácia pelos romanos, serviu como zona limítrofe entre o Império Romano Ocidental, com capital em Roma, e o Império Bizantino, com capital em Constantinopla. Quando, mais tarde, a Igreja cristã dividiu-se em duas, uma parte católica obedecendo ao papa de Roma, outra greco-ortodoxa, fiel ao patriarca de Bizâncio, durante o chamado Cisma do Oriente, no séc. XI, os habitantes da região também foram obrigados a optar, por uma ou por outra das religiões. Para piorar ainda mais os problemas geográficos e religiosos, no século XV a região foi invadida pelos turcos otomanos, vindo do Sul, depois de terem ocupado Constantinopla em 1453, que terminaram por introduzir mais um elemento complicador nos Bálcãs (Balcãs, em turco, significa montanhas ou zona montanhosa). Para assegurar-se da fidelidade das suas áreas ocupadas, eles obrigaram a população local, especialmente os moradores da Albânia e da Bósnia, à conversão ao islamismo. Faziam isto para as usar como barreiras hostis ao cristianismo. Enquanto a parte norte da atual Iugoslávia, as regiões da Eslovênia e da Croácia, ficaram sob a tutela dos imperadores austríacos, de cultura alemã e religião católica, o centro-sul ficou sob controle dos turcos muçulmanos até o início do século XX. Portanto, há cinco séculos, os Bálcãs ficaram divididos em três religiões rivais: o catolicismo (predominante na Eslovênia e Croácia), a greco-ortodoxa (predominante entre os sérvios, montenegrinos e os macedônicos), e o islamismo (majoritário entre os albaneses e os bósnios).

A Servia e a Rússia


reprodução

Nicolau II, czar da Rússia, foi à guerra em 1914 em defesa da Sérvia

A primeira região balcânica a conseguir a sua autonomia foi o reino da Sérvia, em 1878, como resultado da derrota dos turcos na Guerra Russo-Turca de 1877. Desde então, a Sérvia estreitou seus laços de amizade e de dependência com a Rússia, fazendo com que os czares a utilizassem como ponta-de-lança dos seus interesses simultaneamente contra o Império Austro-Húngaro e contra o Império Otomano. Assim, durante séculos, os povos que compunham a Iugoslávia (iugoslavo = os eslavos do sul) foram vítimas, primeiros das partilhas dos imperadores de Roma e de Bizâncio, depois dos governantes de Viena, Istambul e também, mais indiretamente, de Moscou. Eles somente conseguiram sua real autonomia após a Grande Guerra Mundial de 1914-18, devido ao enfraquecimento geral dos seus dominadores (O Império Austro-húngaro foi dissolvido, o império dos czares convulsionou-se em 1917, e o Império Otomano foi derrotado em 1918).

A Guerra Balcânica e a Grande Sérvia

Em 1908, um grupo de jovens oficiais turcos deu início a uma revolução reformista que pretendia modernizar o Império Turco Otomano, mergulhando numa longa estagnação. Ao deporem o sultão, porém, terminaram por incitar uma onda de descontentamento geral contra o domínio turco. Aproveitando-se da confusão provocada pelas reformas, o Reino da Sérvia de Pedro I, da dinastia dos Karagerogevitch, aliou-se aos búlgaros e romenos para dar início a uma guerra que tinha por objetivo afastar os turcos dos Bálcãs. Travou-se então, de 1911 a 1913, a primeira guerra balcânica, que assegurou a independência das nações daquela região. Logo em seguida, as ambições da Sérvia voltaram-se para o Oeste, em vistas da formação da Grande Sérvia, que, por ser um reino geograficamente fechado, desejava anexar a Bósnia, para desta forma por um pé no Mar Adriático. Ocorre que a Bósnia era província do Império Habsburgo desde 1908 e os austríacos viram, por detrás das manobras expansionistas da Sérvia, os interesses de Moscou. Como os czares da Rússia não tinham, nos últimos séculos, conseguido abrir caminho para o Mediterrâneo, devido ao controle que os turcos exerciam sob as duas margens do Bósforo, o governo russo estava insuflando a Sérvia para obter tal fim. No complicado tabuleiro de xadrez balcânico, os povos locais sempre foram vistos como peões sem vontade própria, a não ser a de vingarem-se uns dos outros, movidos pelos que jogavam pesado, isto é, as grandes potências. Como atualmente muitos analistas acreditaram que o bombardeio da Sérvia, executado pela Otan em 1999 durante 72 dias, era uma maneira de atingir e humilhar a Rússia pós-glasnost, uma ex-potência empobrecida e desmoralizada.

|

Introdução | Uma Esquina do Mundo | A Servia e a Rússia | A Guerra Balcânica e a Grande Sérvia | O Atentado de Sarajevo | O Reino da Iugoslávia (1918-1941) | O Acirramento do Ódio | Tito e a Resistência Iugoslava | A Pacificação de Tito | A Morte de Tito e a Dissolução da Iugoslávia | As Causas Diretas | As Novas Repúblicas e a Guerra Civil | Kosovo | A crise marcha para mais ao sul | Milosevic Frente ao Tribunal de Haia | A responsabilidade é coletiva | Fragmentação dos Bálcãs, a Morte de uma Nação | Etnias que formam a ex-Iugoslávia | Síntese



 ÍNDICE DE ATUALIDADE





 
 » Conheça o Terra em outros países Resolução mínima de 800x600 © Copyright 2002,Terra Networks, S.A Proibida sua reprodução total ou parcial
  Anuncie  | Assine | Central de Assinante | Clube Terra | Fale com o Terra | Aviso Legal | Política de Privacidade