BUSCA + enter






O gaúcho Martín Fierro


O gaúcho do pampa (foto Christopher Ralling)

"Ele anda sempre fugindo. Sempre pobre e perseguido; não tem cova nem ninho como se fora um maldito, porque ser gaúcho....ser gaúcho é delito." - José Hernández - Martín Fierro, 1872

A vastidão do Pampa

Por onde o olhar se esparrama pelo horizonte lá esta o pampa. Um imenso mar verde que tem suas beiradas no Rio da Prata e seu fim, se é que o tem, na Patagônia, bem mais ao sul. Ao se depararem com seu gigantismo solitário - onde no dizer do poeta Echeverria "nenhum apoio encontra a vista no seu desejo de fixar seu vôo fugaz" -, os argentinos chamaram-no de "deserto". Duas Franças ou mais cabem por inteiro nele. Se por acaso visse o Barão de Montesquieu aquelas planícies desamparadas, desoladas de gentes, de tudo, seguramente as consideraria a topografia ideal para o império do despotismo.

Pampa, a terra do bárbaro

"Gira en vano, reconcentra su imensidad, y no encuentra la vista en su vivo anhelo do fijar su fugaz vuelo/ como el pájaro en mar/
Doquier campo y heredades del ave y bruto guaridas, doquier cielo y soledades de Dios sólo conocidas, que é solo puede sondar"
- Echeverría - La Pampa, in La Cautiva

Para Domingo Faustino Sarmiento, autor do "Facundo" - um dos clássicos da literatura histórico -ensaística argentina e mundial, publicado em 1845 - o pampa era a matriz da barbárie americana. Nele só sobreviviam os que Walter Scott chamou de "cristãos selvagens" - os gaúchos. A superfície inculta, os bosques raros, a pobreza do seu arvoredo e a ventania endoidada, sem freios, açoitando a vastidão, era "a imagem do mar na terra" O pampa só permitia vagar por ele aqueles cavaleiros nômades que viviam ao deus-dará, mandibulando aqui e ali a abundante carne que devoravam ainda meio crua, abrigados em toldos de couro cru erguidos de improviso no meio do campo, no meio do nada. Eram os hunos do Novo Mundo, que Átilas-caudilhos como Facundo Quiroga (um personagem real, centro do seu livro) arrebanhavam com gritos selvagens para ir lutar aos montões (por isso o termo "montonera") contra as cidades, contra a chegada da civilização. O ambiente selvático, o perigo, a presença constante da morte, fazia com que aquele mestiço - meio bugre, meio castelhano - reforçasse o seu primitivismo devido a sua intimidade com um fim sangrento, ríspido e violento.

Contra a plataforma de Sarmiento


José Hernández (1834-1886), o criador de Fierro

Sarmiento foi categórico: para que a civilização imperasse algum dia naqueles descampados da Argentina era preciso primeiro derrotar o gaúcho. A sua plataforma (Sarmiento foi presidente do país entre 1868-1874) poderia reduzir-se a três pontos: 1) desarvorar a gauchada das províncias argentinas a tiro e a canhonaço, se for preciso; 2) educar a juventude, e; 3) importar gente européia para povoar o país. Contra isso José Hernández rebelou-se. O manifesto do seu desagrado - o contrapondo ao "Facundo" de Sarmiento - foi "O gaúcho Martin Fierro". Diga-se que antes de redigí-lo em língua nativa e rústica, Hernández ainda tentou derrubar Sarmiento num malogrado levante em 1870. Exilado numa pequena pensão de Santana do Livramento, no sul do Brasil, Hernández não desanimou. À luz da lamparina deu-se a esboçar a sua epopéia guasca, que editou em 1872. Respondendo diretamente ao programa de Sarmiento, Hernández arremessou-lhe o célebre verso: "Ele [o gaúcho] anda sempre fugindo. Sempre pobre e perseguido: não tem cova nem ninho como se fosse um maldito; porque ser gaúcho ... o ser gaúcho é um delito."

Literatura autóctone

Sáinz de Medrano, um emérito crítico, além de creditá-lo como a expressão máxima da literatura autóctone argentina - oposta à importação dos modelos europeus tão em voga no século passado -, disse ser Martín Fierro o herdeiro de uma tradição que remontava ao século 18, à narrativa dos feitos de D.Pedro de Cevallos (o vice-rei portenho que invadiu o Rio Grande do Sul em 1763), descrito por Baltazar Maziel, ou ainda ao "Lazarillo..." de Carrió de La Vandera.

Fierro, o el Cid do Pampa

Gaudério brigão, sempre eriçado em aparar o bote traiçoeiro do índio inimigo, desenhando à faca sua estética belicosa, Martín Fierro era a encarnação do façanhudo. "Sou" lamentou ele, um gaúcho desgraçado, não tenho aonde amparar-me". Indomado e livre como um Ulisses, galopava por tudo metido em correrias e aventuras mil sem mais achar ancoradouro. Sem ter uma Penélope que o esperasse, sem um Telêmaco que o procurasse.

"Vou amigo - para onde a sorte me leve", porque "o gaúcho que chamam vago não pode ter querência". Martín Fierro, porta-voz da sua própria história, foi a revivência do el Cid campeador, o caudilho ibérico de mil anos atrás que, também desterrado, saiu a pelejar contra meio mundo na Espanha daquela época.

Com ele, com a criação daquele personagem, rapidamente consagrado entre o povo argentino, Hernández quis mostrar a Sarmiento que matando o gaúcho liquidava com uma força telúrica, uma das mais autênticas expressões da liberdade do homem: "Andei à minha vontade", diz Fierro, "qual um mouro sem senhor; foi esse o tempo melhor e em que vivi mais feliz: de medo de outro tutor não mais busquei o juiz"(Canto XIX, 829).

Borges e Fierro

Jorge Luís Borges, apesar de apreciar a obra literária, não entendia a razão dos argentinos fazerem de um desertor, um prófugo, um borracho, um vira-casacas (e, acrescento, um sempre lamentoso mulherengo "perseguidor de viúvas"), um ícone nacional. Além disso, Borges acreditava que aquele tipo de gaúcho queixoso, composto por Hernández, tinha algo de falso, uma antecipação de Carlos Gardel com aquelas suas letras de tango quase sempre chorosas, indignas de um varão gaudério. Se elas fossem de fato pronunciadas frente a um payador - um trovador popular do pampa - Martín Fierro não passaria para ele de um reles maricas.

Foram porém essas particularidades - o misto de ternura amarga em meio às durezas - que fizeram com que Che Guevara o tomasse como exemplo: o do macho solto pelo mundo a denunciar as injúrias e responder aos agravos. Mas foi Domingo Faustino Sarmiento afinal, ainda que assombrado pelo fantasma de Martín Fierro, quem ganhou a parada.



 ÍNDICE DE ARTIGOS





 
 » Conheça o Terra em outros países Resolução mínima de 800x600 © Copyright 2002,Terra Networks, S.A Proibida sua reprodução total ou parcial
  Anuncie  | Assine | Central de Assinante | Clube Terra | Fale com o Terra | Aviso Legal | Política de Privacidade