BUSCA + enter






As navegações | O infante | Os caminhos do Atlântico | O descobridor | A viagem | A carta de Caminha | Conclusões | Quadro da expansão marítima lusitana | Bibliografia

A Descoberta do Brasil

Conclusões

O “achamento” do Brasil pela frota de Pedro Alvares Cabril não teve efeitos imediatos, nem para os lusos nem para os nativos. Somente meio século depois, com a instalação de um governo-geral na Bahia em 1549, é que pode dizer-se que seu descobrimento começou a gerar proveitos. A razão disso é que a Coroa Manuelina estava mais interessada no comércio com as Índias, devotando suas energias para a instalação de uma atividade regular com Calicute e outras feitorias, bem como não terem encontrado os portugueses nenhum metal precioso no território recém conhecido. Assim, o Brasil foi considerado em seus princípios apenas como uma paradouro, eventualmente a recorrer-se, na “carreira para as Índias”

Tanto é que a frota de Cabral, partiu uns dias depois ao da missa. Quanto ao descobrimento ter sido causal ou não, como colocou em duvida o escritor brasileiro Joaquim Norberto, parece-nos hoje uma discussão ociosa, bem como aquelas outras afirmações de ter sido o litoral brasileiro desbravado antes por outros navegadores, tais como Jean Cousin, Martim Behaim ou Vicente Pinzón. “Paz do esquecimento” recomendou Oliveira Martins “a todas as quimeras!”

|



 ÍNDICE DE BRASIL