Capítulos:

Introdução

1. Os EUA e a Nova Ordem Global

2. Globalização / Integração : UE, Mercosul e Nafta
3. Conflitos e desenvolvimento no Leste e no Sul

A Desintegração da URSS e as Guerras Separatistas

Fragmentação, Nacionalismo e Conflitos no Sul

Do Desenvolvimento à Contenção da Ásia Oriental

4. Entre o progresso e a regressão : rumo ao século XXI

5. Cronologia
Do Desenvolvimento à Contenção da Ásia Oriental

A Ásia oriental constitui a única região do mundo a conhecer um crescimento econômico real e constante desde o início da crise e reestruturação capitalistas da década de 70. O desenvolvimento industrial, inicialmente circunscrito ao Japão, alargou-se para os chamados Tigres asiáticos (Coréia do Sul, Taiwan, Hong Kong e Cingapura), posteriormente, para a República Popular da China e, finalmente, para alguns países do sudeste e do sulda Ásia. Não se trata, entretanto, apenas de um fenômeno quantitativo. Além do fato notável de a região haver se convertido no centro de vários ramos da economia mundial, tendo-se tornado o seu pólo mais dinâmico, nela foi emergindo um modelo próprio. O desenvolvimento asiático, numa perspectiva histórica, constitui parte de um movimento maior de renascimento das civilizações locais e, inclusive, de propostas diferentes para a imensa reorganização planetária que está ocorrendo na virada do milênio. Neste processo, a República Popular da China representa o pivô. A atual crise, por sua vez, configura-se apenas como o primeiro embate na demarcação das "fronteiras" entre os mundos ocidental e oriental, bem como um jogo de força para decidir as regras do novo sistema de poder político-econômico que está emergindo.

É visível o surgimento de um desafio de novo tipo à ordem mundial anglo-saxônica: o desenvolvimento asiático crescentemente nucleado pela China. Trata-se de um fenômeno embrionário, que enfrenta pressões ocidentais e que tem a característica de um modelo híbrido, parcialmente interno e parcialmente externo ao sistema. Se, por um lado, a economia asiática está associada ao mercado mundial, por outro, guarda substancial autonomia político-militar, uma vez que a China mantém seu regime socialista, além de ser um país em desenvolvimento que se encontra no centro do poder mundial (capacidade nuclear e membro permanente do Conselho de Segurança da ONU). Esta aparente contradição tem permitido ao país manter uma original forma de atuação internacional, sem que, até o momento, tenha emergido uma confrontação aberta por parte dos Estados Unidos. Mais do que isso, os países asiáticos têm mantido uma organização societária oposta ao liberalismo individualista ocidental, que pode gerar respostas positivas ao desafio da modernização tecnológico-produtiva e um modelo alternativo para a sociedade internacional no início do próximo século/milênio.

Paulo Fagundes Vizentini

próxima página      próxima página
CAPÍTULO 3
pg. 15
 
 » Conheça o Terra em outros países Resolução mínima de 800x600 © Copyright 2002,Terra Networks, S.A Proibida sua reprodução total ou parcial
  Anuncie  | Assine | Central de Assinante | Clube Terra | Fale com o Terra | Aviso Legal | Política de Privacidade