Dicas Gramaticais
Professor Gabriel Perissé


SUBSTANTIVO

  • UM EXERCÍCIO CANSATIVO
    Às vezes parece mais fácil fazer mil abdominais do que manter-se vigilante para não cometer erros gramaticais. A propósito, são os mil abdominais ou as mil abdominais? O exercício para o abdome (sem acento mesmo) é o abdominal, no masculino.
  • ERA UM BIQUÍNI AMARELINHO
    A palavra biquíni é acentuada, desde que a palavra bikini, nome de uma ilha do oceano Pacífico, incorporou-se à nossa língua e às nossas praias. A regra é esta: toda a paroxítona terminada em i é acentuada, como táxi, safári, beribéri, cáli, júri etc.
  • NA ERA DO SUPORTE TÉCNICO
    Essa expressão "suporte técnico" não é nossa. Passamos a usá-la sob a influência dos às vezes mal traduzidos manuais técnicos, em que a palavra inglesa support é usada no sentido de manutenção e apoio. Prefiramos, então, "assistência técnica".
  • SOMATÓRIO OU SOMATÓRIA?
    A força do uso pode um dia vencer, e transformar o que hoje é considerado errado em norma a ser obedecida por todos. Por enquanto, porém, o certo continua a ser somatório e não somatória, como se ouve dizer e se vê escrever. O somatório das taxas, dos votos etc. ainda é o modo correto.
  • SILÊNCIO NO TRIBUNAL!
    Certa vez, em pleno julgamento, uma senhora dirigiu-se ao juiz, dizendo: Meretríssimo! O advogado interveio: o certo é Meretíssimo! E o Juiz, desconsolado, gritou: Silêncio no tribunal! Agradeço os elogios, mas o certo é Meritíssimo! Estou aqui pelo mérito de estudar. Por que vocês não consultam as dicas gramaticais do ZAZ?
  • MUDANÇA DE HÁBITO
    Como tratar pessoas que ocupam cargos importantes? Um cardeal é Vossa Eminência. Um ministro é Vossa Excelência. Um prefeito também. Um reitor é Vossa Magnificência. Um padre é Vossa Reverendíssima. Um gerente de banco é Vossa Senhoria. Um coronel também. E o papa é Vossa Santidade. Se estamos acostumados a chamar todo mundo de você, é melhor mudar de hábito...
  • A SINGULARIDADE DO PLURAL
    Várias palavras, no plural, adquirem significados diferentes. Ouro, no singular, é o metal precioso. Ouros, no plural, é um dos naipes das cartas do baralho. Bem é o contrário de mal. Bens são as propriedades que uma pessoa tem. Letra é um caractere do alfabeto. Letras é o curso universitário. Liberdade é o poder de escolher. Liberdades é quando a moça repreende o rapaz apressadinho: — Vamos parar com essas liberdades?
  • 1O DE MAIO
    O que comemoramos no dia primeiro de maio? Quem respondeu o Dia do Trabalho, deveria trabalhar em dobro nesse dia. Comemoramos o Dia do Trabalhador, em analogia com outras datas ao longo do ano em que lembramos o jornalista, o médico e a secretária. Esse feriado nasceu para homenagear operários mortos durante uma passeata no dia 1o de maio de 1889, em Chicago.
  • DESPERCEBIDO OU DESAPERCEBIDO?
    É fácil confundir. Uma pessoa que passou despercebida numa festa não foi notada, ninguém a viu entrar ou sair. Uma pessoa desapercebida é aquela que está desprevenida ou despreparada. Os desapercebidos, por exemplo, não conseguem perceber a diferença agora explicada. Entendeu?
  • SANTO ANTÔNIO, AJUDE-ME!
    Convencionou-se usar São para santos cujo nome começa por uma consoante que não seja o h: São Jorge, São José, São Pedro... Já Santo antecede os que têm nomes iniciados por vogal ou h: Santo Alberto, Santo Antônio, Santo Henrique. Agora, há exceções: Santo Tomás de Aquino, Santo Tirso, Santo Jó... Que todos os santos nos ajudem a casar as palavras certas.
  • CAINDO A MÁSCARA
    Cada palavra tem o seu significado próprio. Desmistificar é bem diferente de desmitificar. Desmistificar uma pessoa é desmascará-la, mostrar que não é uma santinha e que não merece confiança. Desmitificar um artista, por exemplo, é apenas revelar que ele é uma pessoa comum, e não um mito.
  • É UMA QUESTÃO DE OPINIÃES?
    Como se faz o plural das palavras terminadas em ão? O plural de bênção é bênçãos. O plural de capitão é capitães. Sacristão, por sua vez, admite dois plurais: sacristãos ou sacristães. E há palavras com três opções: anciãos, anciães e anciões, para ancião. Moral da história: na dúvida, consulte o pai dos inteligentes, o dicionário.
  • UM FAX É BOM, DOIS JÁ É DEMAIS
    O plural de tórax é tórax, sem o s. Uma fênix, plural: duas fênix, sem o s. O látex, os látex, sem o s de novo. Palavras terminadas em x não mudam no plural. Por isso, um fax é bom e dois fax já é demais.
  • CONFUSO HORÁRIO
    Sol a pino, há quem olhe o relógio e diga: Meio-dia e meio. Este segundo meio está errado. Meio do quê? A propósito, ninguém fala duas horas e meio, mas duas horas e meia (hora). Está armado o confuso horário. À noite, quando os dois ponteiros novamente se unem, falamos meia-noite e meia, não é? O certo, portanto, é meio-dia e meia. A meia hora noturna tem os mesmos trinta minutos da meia hora diurna.
  • OS IRMÃOS CARAS-DE-PAU
    O plural dos substantivos compostos não é nada fácil. E é preciso ser muito cara-de-pau para ignorar o problema. Há várias regras e uma delas é que no plural de substantivo + preposição + substantivo, só o primeiro elemento recebe o s. Eis alguns exemplos: amigos-da-onça, sinais-da-cruz, dores-de-cotovelo, canas-de-açúcar, pimentas-do-reino, pais-de-santo, porcos-do-mato e pães-de-ló.
  • NOSSA SENHORA DA GRAMÁTICA, ROGAI POR NÓS!
    Qual a diferença entre Nossa Senhora das Graças e Nossa Senhora Aparecida, por exemplo? A mãe de Jesus é uma só, mas existem dezenas de invocações, nascidas da devoção popular: Nossa Senhora do Bom Parto, de Guadalupe, do Ó, da Penha, dos Remédios, de Lourdes, de Fátima, dos Navegantes, dos Anjos, da Purificação... Rogai por nós!
  • ASSIM EU VOU MORRER DO CORAÇÃO!
    Doutor, o certo é infarto, enfarto ou enfarte? — Meu caro paciente, as três formas são igualmente certas para designar a suspensão do fluxo sangüíneo em alguma região do corpo, causada pela oclusão de uma artéria. — Obrigado, doutor, agora eu posso morrer em paz!
  • FALOU E DISSE!
    Falar e dizer não são sinônimos. Quem fala, fala bem, fala muito, fala com alguém, fala diante dos outros. Já quem diz, diz a verdade, diz o que pensa, diz besteira, diz o que não deve. Falar tem a ver com o ato da fala. Dizer tem a ver com o conteúdo expresso por aquele que fala. Falou?
  • FEMINISMO GRAMATICAL
    O feminismo de uma jornalista foi longe demais quando escreveu, num jornal de bairro: Fulana de Tal, lídera de nossa associação... O feminino de líder é determinado pelo artigo a antes do substantivo em questão: a líder. Já o feminino de chefe é chefa, por mais estranho que pareça. E quanto ao feminino de coronel? Preparem-se. Exatamente: coronela.
  • QUANDO AS MULHERES COMANDAM
    Se tivéssemos uma mulher na presidência, ela seria a presidenta. Agora, se o presidente tivesse escolhido para o ministério do desenvolvimento, por exemplo, o nome de uma mulher, teríamos uma ministra.
  • FULANA DE TAL ESTÁ COM TUDO
    Saiu num jornal, certa vez: "Fulana de Tal, lídera de nosso partido...". Contudo, líder não vai para o feminino. Saiu numa revista, certa vez: "Fulana de Tal é minha ídola". Contudo, ídolo não vai para o feminino. Saiu numa conversa, certa vez: "Fulana de Tal é membra do clube...". Contudo, membro não vai para o feminino. São casos de substantivos de gênero fixo, também chamados substantivos sobrecomuns.
  • NÃO CONFUNDA A VIDA PÚBLICA COM A PRIVADA
    Belo conselho para os políticos e artistas. Quem tem uma vida pública muito intensa deve proteger sua intimidade. O certo é escrever: Não confunda a vida pública com a vida privada. Assim, evita-se que alguém interprete privada como substantivo.
  • GUERRA DOS SEXOS
    Às vezes é difícil saber se uma palavra é masculina ou feminina. Em geral, as palavras com a final são femininas; as que terminam com o, masculinas. Mas nessa guerra dos sexos nem sempre tudo é tão simples. Telefonema termina com a, mas temos de falar o telefonema. termina com o, mas é feminina. E duas palavras com a mesma letra final podem pertencer a gêneros diferentes. Por exemplo: sal (masculina) e cal (feminina).
  • É A VOVOZINHA!
    Há um erro comum quando se fala dos pais de um bisavô ou de uma bisavó. Dizemos que são o tataravô e a tataravó, quando o certo é trisavô e trisavó. Tataravô e tataravó (ou tetravô e tetravó) é que são os pais de um trisavô ou de uma trisavó. O mesmo problema acontece com o trineto (filho dos bisnetos) e com o tataraneto (filho dos trinetos).
  • FÉRIAS DE UM SÓ DIA
    Existem substantivos que estão sempre no plural. Não se deve dizer o óculos, mas os óculos, levando para o plural também os pronomes possessivos vinculados: meus óculos, seus óculos, nossos óculos. A lista contém palavras muito usadas: pêsames, arredores, anais, olheiras, cadeiras (parte do corpo humano) costas (parte do corpo humano) e férias, mesmo que sejam férias de um só dia...
  • LÍNGUA MORTA, UMA VÍRGULA!
    Dizem que o latim morreu e foi enterrado em Roma. Não é bem verdade. Ainda utilizamos palavras e expressões como curriculum vitae, campus (universitário), modus vivendi, habeas corpus, quorum, lato sensu, causa mortis, Corpus Christi, idem, forum, habitat, (fecundação) in vitro etc. (etc., aliás, é abreviatura de et caetera). E atenção para o plural de curriculum e campus. É preciso obedecer à gramática latina: curricula vitae e campi universitários.
  • NA HORA DO TINTIM
    Aproxima-se o final do ano e chega a hora do tintim. Mas você quer brindar tomando o melhor champanhe ou a melhor champanhe? Não pense duas vezes. O certo é o champanhe, no masculino, porque é o (vinho) champanhe.
  • PLURAL PROIBIDO
    É proibido levar para o plural uma palavra referente à propriedade comum de dois ou mais termos da mesma oração. Não se diz: vou medir as alturas dos rapazes. O certo é: vou medir a altura dos rapazes. Não se diz: espero as voltas de meu marido e de meu filho, mas: espero a volta de meu marido e de meu filho.
  • PONTUALIDADE BRASILEIRA
    A distinção entre hora e horário é delicada, mas real. Hora pode ser definida como a 24a parte de um dia inteiro ou como um período de 60 minutos. Já horário (tanto substantivo como adjetivo) refere-se a um período com mais de 1 hora: horário do ônibus, horário nobre, fuso horário, carga horária. Uma comparação: calendário é o período de dias, palavra proveniente de calendas que, em latim, era o primeiro dia do mês.
  • DESCANSO ARRISCADO
    Há gente que corre o risco de sair chamuscada, ao confundir lazer com laser. Lazer é o descanso, a distração, o tempo livre bem aproveitado para usufruir da vida. Laser, que já se aportuguesou, são as iniciais de light amplification by stimulated emission of radiation.
  • UM GRAVE PROBLEMA JURÍDICO
    Uma circunstância que agrava um problema é uma agravante, no feminino. Existe agravante como substantivo masculino, mas aí se trata de alguém do sexo masculino que interpõe um agravo (um recurso para aumentar a pena de um veredicto).
  • A MATANÇA GRAMATICAL
    Tudo é matança, mas há algumas diferenças: o filho que mata o pai comete um parricídio. O filho que mata a mãe, um matricídio. Os pais que matam o filho, um filicídio. A mulher que mata o marido, um mariticídio. E o marido que mata a esposa comete (que horrível) um uxoricídio.
  • CHEQUE SEM FUNDOS?
    Um cheque tem fundo ou tem fundos? Um cheque está sem fundo ou sem fundos? O correto é fundos no plural, pois é no plural que fundo tem o sentido de provisão de dinheiro disponível para saque bancário.
  • QUESTÃO DE DIPLOMACIA
    No mundo da diplomacia, um deslize verbal pode abalar o relacionamento entre dois países. Jamais devemos chamar uma embaixadora de embaixatriz. Ambas as palavras fazem o feminino de embaixador. Porém, a diferença entre uma e outra é imensa: embaixadora é a mulher que ocupa o cargo mais elevado numa embaixada, e embaixatriz é apenas... a esposa do embaixador.
  • QUEM SUBIU NA MINHA ÁRVORE GENEALÓGICA?
    Na árvore genealógica, cabe distinguir descendentes e ascendentes. Se subo, encontro meus ascendentes: pais, avós, bisavós. Se desço, encontro meus descendentes: filhos, netos, bisnetos. Se tenho pais franceses, minha ascendência é francesa. Se tenho filhos ingleses, minha descendência é inglesa.
  • UMA DICA DE PAI PARA FILHO
    Não confundamos genitor com progenitor. O genitor é aquele que gera, o pai. E progenitor é o pai que gerou antes, ou seja, que gerou o genitor. Meu pai é meu genitor. E meu progenitor é o meu avô.
  • OPÇÃO PREFERENCIAL PELO PLURAL
    Há certos substantivos que só se usam no plural. Eis alguns: suspensórios, bodas, anais, férias escolares, olheiras, damas (o jogo), condolências, pêsames, núpcias, algemas e trevas.
  • QUALQUER TAMBÉM TEM PLURAL
    E o plural de qualquer é quaisquer: fazemos quaisquer serviços; estamos atentos a quaisquer sinais de melhora; quaisquer que sejam as notícias, saberemos o que fazer.
  • FATO CONSUMADO
    Em cardápios ou convites é comum ler a expressão consumação mínima. A idéia é que a pessoa tem de consumir um valor mínimo em bebidas e petiscos. Mas o substantivo que corresponde ao verbo consumir é consumo. Consumação, por sua vez, corresponde ao verbo consumar, que significa chegar ao fim, à perfeição. Embora o erro esteja muito arraigado, o certo mesmo, no caso de restaurantes e bares, é falar em consumo mínimo.
  • QUEM SENTE SAUDADE MANDA SAUDADES
    Há uma diferença entre o singular e o plural de saudade. Saudade é o sentimento. Saudades é a palavra usada numa despedida cheia desse sentimento: Sinto uma saudade tão grande de você que sempre termino minhas cartas escrevendo: Lembranças! Saudades!
  • UM PLURAL DE FAZER GOSTO
    As palavras terminadas em il podem ter dois tipos de plural. Se oxítonas, o plural se faz com o acréscimo do s: sutil, barril, funil e canil ficam sutis, barris, funis, canis. Se paroxítonas, o plural se faz com a substituição de il por eis: fóssil, útil, míssil e réptil ficam fósseis, úteis, mísseis e répteis.
  • STRESS À BRASILEIRA
    Antigamente fala-se em estafa. Hoje temos a palavra inglesa stress que, porém, já está abrasileirada (ou aportuguesa, se preferirem). Quem quiser ficar estressado agora, sinta-se à vontade.
  • ESTÁ MAUS!
    O plural de mal é males. Normalmente, porém, as palavras terminadas em al, no plural, ficam assim: plurais, carnavais, fatais, banais, canaviais, legais, rurais, sais, tais, boçais, mananciais, oficiais, gerais, currais, dedais... quer mais?
  • RAIOS O PARTAM!
    Há pessoas que dizem: "fiz raio X". Deve ser um exame novo, porque os raios X descobertos pelo físico alemão Wilhelm Roentgen é uma expressão usada no plural. Raio, no singular, é o relâmpago. Raios X são a radiação eletromagnética utilizada na medicina para obter diagnósticos e realizar alguns tratamentos.
  • PARA AGRADAR GREGOS E ROMANOS
    Expressar-se corretamente é também enriquecer o vocabulário. Dos idiomas grego e latino procedem palavras que, muitas vezes, são sinônimas entre si: contraveneno e antídoto, oposição e antítese, transformação e metamorfose, moral e ética, rei e monarca, fim e epílogo. As primeiras vieram do latim. As outras, do grego.
  • QUER MAIS UM LIVRO-CASSETE?
    Livro-cassete (não confundir com livro cacete, maçante, chato) admite dois plurais. Tanto posso ter dois livros-cassetes como dois livros-cassete.
  • UMA DIFERENÇA SUTIL
    Qual a diferença entre possível e provável? Se você sabe a diferença, é provável que passe no Vestibular. Se não sabe, é possível que enfrente problemas nas provas. Provável é o que praticamente vai acontecer. Possível é o que pode acontecer.
  • FALÊNCIA E INSOLVÊNCIA
    Embora semelhantes, são coisas diferentes. Uma empresa falida é aquela que não pode mais pagar seus funcionários e contas. Quando uma pessoa não pode pagar suas dívidas torna-se insolvente. Portanto: falência, para pessoa jurídica. Insolvência, para pessoa física.
  • PALAVRAS MASCULINAS ATÉ DEBAIXO D´ÁGUA!
    É comum ouvir: senti uma dó dele. Mas a palavra dó é masculina. De modo que se diz e se escreve: o dó. E existem outras palavras masculinas que, por essa condição, não admitem o artigo feminino ou o adjetivo no feminino: o estigma, o suéter, o decalque, o gengibre, o coma, o eczema, o herpes e outras.
  • PALAVRAS FEMININAS ATÉ DEBAIXO D´ÁGUA!
    Bacanal, pode não parecer, mas é palavra feminina. De modo que se diz e se escreve: a bacanal. E existem outras palavras femininas que, por essa condição, não admitem o artigo masculino ou o adjetivo no masculino: a alface, a sentinela, a soja, a apendicite, a comichão, a omoplata, a omelete e outras.
  • PLURAL QUE VEM DE FORA
    Quando se emprega uma palavra estrangeira, é recomendável usar o plural próprio do outro idioma. Kibutz, por exemplo, nome dado às colônias coletivas em Israel, no plural se escreve kibutzim. E blitz, palavra alemã que designa uma batida policial relâmpago (blitz significa relâmpago), no plural é blitze.
  • O TEMPO NÃO PÁRA
    Hoje é hoje. Amanhã é depois de hoje. E depois de amanhã (sem hífens) é daqui a dois dias. E como voltar para o passado? Ontem foi antes de hoje. E antes de ontem, anteontem. E antes de anteontem? Trasanteontem. Por incrível que pareça.
  • O SEXO DAS PALAVRAS
    Os substantivos terminados em a geralmente são femininos e os terminados em o, masculinos. Já para saber com certeza se os que terminam em e são masculinos ou femininos, é bom consultar o dicionário e descobrir que crepe (tecido), leme e corpete são masculinas, mas que ênfase, metástase e serpente são femininas.
  • A MORAL DO SUTIÃ
    O anunciante de um sutiã escreveu certa vez: "Eleve a sua moral". Moral, no feminino, significa um conjunto de regras de conduta e nada tem a ver com a intenção da propaganda. O certo, no caso, seria "o seu moral", no masculino, porque corresponde a dizer "eleve a sua auto-estima", "aumente o seu entusiasmo".


| dicas gramaticais | | dicas etimológicas | | gabriel perissé | | capa |

Copyright © 1996 - 2000 Terra Networks, S.A. Todos os direitos reservados. All rights reserved.