Dicas Etimológicas
Professor Gabriel Perissé


ALIMENTAÇÃO

  • MESTRE-CUCA É MAGISTRAL
    A expressão mestre-cuca é inspirada na palavra inglesa cook, cozinheiro. O principal cozinheiro é o professor, o mestre, palavra que provém do latim magister, que também gerou o adjetivo magistral.
  • KETCHUP, POR FAVOR!
    Ketchup nasceu no inglês, certo? Não. Nasceu mesmo foi num dialeto chinês. Koechiap significava sal para conservar peixes. Com o tempo, e chegando à Inglaterra, a palavra foi associada à idéia de tempero e condimento, em particular ao molho feito com tomate, cebolas, sal e açúcar que se popularizou nas lanchonetes do mundo inteiro.
  • SALTA UMA PANQUECA, PLEASE!
    Pancake, em inglês, é a origem da nossa palavra panqueca. Trata-se de um tipo de bolo (cake) de frigideira (pan), preparado com leite, farinha, ovos e, depois, servido com algum recheio doce ou salgado.
  • A OUSADIA DO SANDUÍCHE
    O popular sanduíche nasceu nas mãos da nobreza. O nobre inglês John Montagu (1718-1792), mais conhecido como Conde de Sandwich, pegava duas fatias de pão e, entre elas, colocava algum alimento. Hoje temos sanduíche de queijo, carne, ovos, e o que a nossa imaginação quiser.
  • RECEITA DE ESTROGONOFE
    O conde e diplomata russo Paul Stroganoff , que viveu no século XIX, gostava tanto desse guisado de carne ou frango picados, feito com molho de creme de leite, ketchup e vinho, que os cozinheiros não perdoaram: salta um estrogonofe!
  • COM AÇÚCAR E COM AFETO
    O açúcar vem de longe e já adoçou a boca de muitas pessoas em diferentes idiomas. A palavra açúcar é proveniente do árabe sukkar, que por sua vez nasceu do persa shakar, cuja origem está no sânscrito (língua clássica da Índia), çarkara, que queria dizer: "grãos doces".
  • NÃO MEXE NO MEU MEXIDO
    A palavra mexido, que designa alguns pratos tipicamente brasileiros, como o mexido que se prepara no sul —feijão ou carne picada com farinha de mandioca —, provém justamente de miscere, isto é, misturar, juntar, unir.
  • GELATINA, SOBREMESA OU BOMBA?
    Gelatina veio do francês gélatine, que é este suco de frutos cozidos gelado, mas não congelado. A consistência gelatinosa se aplica a outras realidades, como a gelatina explosiva, composta de nitroglicerina.
  • É CANJA DE GALINHA!
    Em Malabar, na Índia, fala-se o malaiala, e desta língua veio a nossa canja: kanji, que nada mais é do que arroz com água, à qual acrescentamos legumes e carne de frango.
  • UM SALPICÃO BEM TEMPERADO
    O salpicão inspirou-se no salpicón espanhol, guisado de carne picada temperado com pimentão, sal, vinagre e cebola. A palavra salpicar significa justamente salgar, temperar.
  • ROCAMBOLE ROCAMBOLESCO
    O nome deste bolo assado em tabuleiro e enrolado com recheio nasceu do nome próprio de um personagem do escritor francês do século XIX Ponson du Terrail. Rocambole era o seu nome, um herói sempre metido em aventuras enroladas.
  • PAELLA PARA QUEM?
    Especula-se que a palavra paella, este prato tipicamente espanhol — ensopado de arroz, legumes, carnes, frutos do mar... —, provém da expressão para ella, pois era um prato comumente feito para a noiva no dia do casamento: para ela, para a homenageada.
  • ESCORREGANDO NA MAIONESE
    A origem do nome dado a esse molho frio, feito de azeite, vinagre, sal e gema de ovo batidos juntos, está no nome de uma das ilhas Baleares, Mahón, próxima à Espanha. Este preparado recebeu aí o seu nome: molho mahonés, que chegou até nós pelo francês mayonnaise.
  • ME DÁ DOIS PASTÉIS!
    No francês arcaico havia a palavra pastel, que hoje, nessa língua, é o pâté — torta ou empada de massa recheada de carne ou peixe. Em português ficamos com o pastel. O nosso empadão é também um tipo de pastel.
  • FEIJÃO PARA TODOS OS GOSTOS
    A semente comestível, de colorido que vai do branco ao negro, chamava-se, em latim, faseolus. Com o tempo houve uma série de mudanças que iriam culminar na palavra tal como a pronunciamos hoje. A mudança mais significativa foi a troca de lugar entre a letra e e a letra a.
  • SALADA COMPLETA
    O princípio da salada é misturar verduras e legumes temperados com azeite e vinagre mas sobretudo com sal — e daí o nome —, o que torna o prato mais saboroso.
  • PIPOCAS! PIPOCAS!
    Sabe aquele tipo de milho cujos grãos, levados ao fogo, rebentam e se transformam num gostoso companheiro de cinema? Pois é, pipoca vem do tupi pipóka, e significa pele (pi) estourada (poka), referindo-se às bolhas que nascem na epiderme e depois estouram, que popularmente também chamamos de pipocas.
  • ACEITA UM QUENTÃO?
    Essa bebiba forte e quente vem, logicamente, do adjetivo quente, que já foi queente, mas antes disso caente, e antes ainda: calente, que por sua vez proveio do latim cálidus. Essa última palavra tinha o sentido amplo de ardente, excitado, vigoroso, doente (febril) e veloz. Portanto, vá devagar!
  • PAMONHAS, PAMONHAS, PAMONHAS!
    Essa papa de milho verde ralado, cozida envolta na palha do próprio milho, vem de uma palavra tupi que não significa propriamente milho mas o processo pelo qual ele é preparado: apá-mimõia quer dizer envolvido e cozido (mimõia) por inteiro (apá).
| dicas gramaticais | | dicas etimológicas | | gabriel perissé | | capa |

Copyright © 1996 - 2000 Terra Networks, S.A. Todos os direitos reservados. All rights reserved.