Literatura Brasileira
  Lit. Conquistadores
  Barroco
  Arcadismo
  Romantismo
  Real/Naturalismo
  Parnasianismo
  Simbolismo
  Pré-Modernismo
  Modernismo
  Poesia Moderna
  Romance de 30
  Lit. Contemporânea
  Aula Virtual
  Livro do Mês
  Tema do Mês
  Textos Comentados
  Resumão




  Literatura Contemporânea


Nelson Rodrigues - crônica - parte I

NELSON RODRIGUES (1912-1980)

OBRAS PRINCIPAIS: O óbvio ululante (1969); A cabra vadia (1970); O reacionário (1977).

Apesar das maiores realizações artísticas de Nelson Rodrigues estarem na dramaturgia, é inegável sua importância para a crônica brasileira, tanto por seu estilo personalíssimo, marcado por uma quase inesgotável capacidade de criar frases de efeito (que nem sempre primavam pelo bom gosto), quanto pela veia polemista e iconoclasta com que retratou os costumes do Brasil urbano, num período compreendido entre as décadas de 1950 a 1970.

Muitas de suas frases e expressões acabaram ingressando numa espécie de memória cultural brasileira por serem provocantes e até agressivas:

– Num adultério, há homens que preferem ser o marido, não o amante. Os homens
adoram ser traídos.
– Todo amor é eterno e, se acaba, não era amor.
– Toda mulher bonita é um pouco a namorada lésbica de si mesma.
– No Brasil, quem não é canalha na véspera é canalha no dia seguinte.
– O Sábado é uma ilusão.
– Aos dezoito anos, o homem não sabe nem como se diz bom-dia a uma mulher. O
homem devia nascer com trinta anos feitos.
– O amigo trai na primeira esquina. Ao passo que o inimigo não trai nunca. O inimigo é
fiel. O inimigo é o que vai cuspir na cova da gente.
– Toda mulher gosta de apanhar.
– O Natal já foi festa, já foi um profundo gesto de amor. Hoje, o Natal é um orçamento.
– Qualquer menino parece, hoje, um experimentado e perverso anão de 47 anos.
– Se cada um conhecesse a intimidade sexual dos outros, ninguém cumprimentaria
ninguém.
– Toda unanimidade é burra.

Outra peculiaridade na elaboração de suas crônicas é que, apresentando-as sob a forma tradicional de comentários sobre o cotidiano (portanto, como expressão direta das idéias do escritor a respeito da vida), ele introduz nelas personagens ficcionais e seres reais, que coexistem e dialogam entre si ou com o próprio autor.

Entre os personagens criados, alguns aparecem reiteradamente, transformando-se em tipos inesquecíveis: Palhares, o canalha; a grã-fina com narinas de cadáver; a estagiária de calcanhar sujo; a freira de minissaia, o Sobrenatural de Almeida, a cabra vadia. Já entre as personalidades concretas surgem com muita freqüência: Otto Lara Rezende, Carlos Heitor Cony, Hélio Pellegrino, Alceu Amoroso Lima, Dom Helder Câmara e outros. O resultado é surpreendente: trata-se de uma desabusada e criativa mescla de ficção e de idéias, rara no gênero. Observe o trecho a seguir:

Se Deus me intimasse a optar entre o Hélio Pellegrino e a humanidade, eu daria a seguinte e fulminante resposta: – “Morra a humanidade!”. E se fosse, não o Hélio, mas o Paulinho Mendes Campos, diria do mesmo jeito e com a mesma ênfase: – “Morra a humanidade!”. E, com isso, ficaria claro que, para mim, o amigo é o grande acontecimento, e repito: – só o amigo existe e o resto é paisagem. Os “outros” teriam assim uma estrita e secundária função paisagística.

Didaticamente, pode-se dividir as crônicas do autor em três categorias temáticas:
- Crônicas esportivas
- Crônicas sociais e comportamentais
- Crônicas memorialistas



     próxima página
 Compras
 Mais Educação


» Língua Portuguesa

» Relações
    Internacionais


» História do Brasil

» História por
    Voltaire Schilling


» Almanaque

» Virtual Books

» Atlas Universal



 
 » Conheça o Terra em outros países Resolução mínima de 800x600 © Copyright 2003,Terra Networks, S.A Proibida sua reprodução total ou parcial
  Anuncie  | Assine | Central de Assinante | Clube Terra | Fale com o Terra | Aviso Legal | Política de Privacidade